top of page
  • Foto do escritorspnaturalogia

Salsola - uma halófita de futuro!

por Miguel Boieiro - Julho de 2023


Salsola - Halófita de Futuro!
Salsola - Halófita de Futuro!

Salsola

Aproveitando a tradicional quentura e luminosidade das longas jornadas de julho, realizou-se mais um Festival na Fundação das Salinas do Samouco (Alcochete). Já vamos na 4ª edição deste festival que cada vez atrai mais visitantes àquele complexo ambiental de cerca de 360 hectares onde afanosamente se presta culto à pródiga natureza. Neste ano da graça de 2023, notou-se uma nítida melhoria organizativa. A multiplicidade das atividades desenvolvidas encantou todos os que foram seduzidos pelo evento e acabaram por dar por muito bem empregue o tempo despendido.

Sem desprimor para as visitas guiadas, demonstrações, exposições, jogos lúdico-didáticos, mercadinhos, “showcookings” e para a constante animação que, nesse dia 22 de julho, reinou no Palácio dos Pinheirinhos e suas imediações, queremos dar uma nota especial à notável apresentação do projeto “Halo Farms - Agricultura do Futuro”.

Tal projeto, da iniciativa de três jovens investidores, pretende promover a sensibilização para o aproveitamento de solos salgadiços com destino à produção de plantas halófitas para fins alimentares, fitoterápicos, industriais. Visa igualmente o aproveitamento de bio resíduos, em economia circular e atingir finalidades científicas, alimentares, educativas e ambientais que se perfilam de grande utilidade e valia.

Como é sabido, Portugal detém avantajadas áreas ribeirinhas inadequadas para a produção agrícola tradicional, visto que a aridez dos solos e a penetração das cunhas salinas nas toalhas freáticas não a permite. Todavia, há vegetação endémica que bravamente resiste às adversidades climatéricas e medra viçosa em antigas salinas e esteiros invadidos pelas águas marinhas. São as chamadas plantas halófitas. A pouco e pouco, tem- se estudado a composição dessas plantas no tocante aos seus peculiares componentes químicos, chegando-se à conclusão que, a maior parte das espécies são edíveis e podem ter um papel importante em alimentação saudável e racional.

Insistentemente, este modesto cronista, vem, há algum tempo, a procurar sensibilizar os decisores para o aproveitamento gastronómico de várias espécies que abundam nos salgados do Tejo. A este propósito, já foram publicados breves textos sobre a salicórnia (Salicornia bigelovii), a setembrista (Aster tripolium), a salgadeira (Atriplex halimus), a inula (Inula crithmoides) …, mas a lista das halófitas é bem mais vasta.

Estimulado pelo oferecido livrinho “Halo Farms – Agricultura Halófita”, dos biólogos Ricardo Coelho, Mauro Hilário e Hugo Mariano que, em português e inglês, descrevem os trabalhos efetuados numa parte do barlavento algarvio, chegou agora a vez de elaborar uma singela croniqueta sobre a salsola (Salsola vermiculata).

Sobre a classificação desta proeminente halófita que abunda nas zonas costeiras da região mediterrânica, norte de África e Ásia menor, parece que os eminentes cientistas ainda não se entenderam. Uns agrupam-na na família das Chenopodiaceae e outros remetem-na para as Amaranthaceae. Como é um assunto que extravasa a lavra do cronista, foquemos apenas alguns aspetos mais “terra-a-terra”.

A salsola forma um arbusto perene muito ramificado e porte irregular que pode ultrapassar um metro de altura. Tem tronco gretado com casca acinzentada e pequenas folhas alternas mais ou menos cilíndricas e escamiformes. As flores, de amarelo pálido, destituídas de pétalas, aparecem solitárias na axila das folhas, agrupadas em espigas curtas. Os frutos são aquénios e as pequenas sementes, dado à sua leveza, são facilmente espalhadas pela ventania, propagando a espécie.

Os arbustos da salsola são lenhosos e muito resistentes. Suportam intempéries, ocupam solos salinos áridos e semiáridos, não necessitando de quaisquer cuidados humanos. Travam com eficácia a erosão dos solos, podendo substituir com vantagem plantas exógenas como os chorões e as acácias. Tendo em conta a sua independência e versatilidade, há quem os utilize como espécie ornamental.

Análises químicas detetaram na folhagem altos teores proteicos e concentração de sais orgânicos de sódio e de potássio. A existência de carbonatos alcalinos proporcionou, outrora, a sua utilização na indústria do vidro e do sabão. As próprias cinzas eram frequentemente usadas para branquear a roupa (barrela).

A riqueza proteica da salsola propiciou a sua introdução em várias regiões semidesérticas africanas e asiáticas para fornecer forragem aos camelos, bovinos e caprinos.

Diz-se, no entanto, que a sua introdução na Califórnia deu maus resultados pois a espécie tornou-se invasora, prejudicando as culturas.

Por fim e com a devida vénia, transcrevemos, a propósito, o que se encontra redigido no precioso “Halo Farms”, atrás citado: Esta planta tem folhas e sementes comestíveis, com propriedades diuréticas, de regulação da pressão arterial e foi utilizada em cestaria e produção de cordas.

Vamos aproveitá-la?


32 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page